top of page

BETO PANDIANI

um breve histórico de algumas viagens

Beto
BetoPandiani
barco
Arco iris

Beto Pandiani, 66 anos, velejador.

Empresário na área de entretenimento, e ex-sócio de restaurantes e bares paulistanos (AEROANTA, Singapore Sling, Olivia, Mr. Fish, Clube Base, Lounge e U Turn) Beto Pandiani começou a levar mais a sério o seu hobby – a vela - a partir de 1983. Em 1989 conquistou o título de campeão norte-americano de Hobiecat 16, em Chicago, Estados Unidos. Com o passar do tempo, começou a viver um dilema, pois não queria mais trabalhar na noite. 

Foi em 1993, quando que ele decidiu trocar de profissão. E assim, em 1994, aconteceu sua primeira e mais longa expedição, "Entre Trópicos", de Miami (USA) a Ilhabela (Brasil), que durou 289 dias e levou quatro velejadores em dois catamarans sem cabine de 21 pés.  

Em 2000, Beto Pandiani partiu para sua segunda longa expedição, a “Rota Austral”, novamente em dois Hobiecat de 21 pés. 

A “Rota Austral” começou em Puerto Montt, no Chile, contornando toda a costa sul do continente sul-americano, cruzando o Cabo Horn – ponto alto da expedição – Então seguiram viagem por mais quatro meses ao longo da costa argentina e de toda a região sul do Brasil, até atingir o destino final, a Baía da Guanabara, no Rio de Janeiro, em abril de 2001. 

A “Travessia do Drake”, realizada em 2003, foi a terceira expedição de Beto Pandiani. Os velejadores partiram de Ushuaia e cruzaram a passagem entre a América do Sul e a Antártica, conhecida por ter no fundo de suas águas mais de 80 embarcações naufragadas. A expedição durou 45 dias e com ela Beto Pandiani e Duncan Ross os primeiros velejadores a chegar à Península Antártica em um barco sem cabine. 

Após as expedições, Beto encarou a regata “Atlantic 1.000”, em 2004. A regata é conhecida por ser a mais longa e difícil do mundo para catamarans sem cabine. Ela percorre mil milhas da costa americana, indo da Flórida até a Carolina do Norte. Depois de 12 dias na água, Beto e Duncan conquistaram o segundo lugar. 

 

Na “Rota Boreal”, em 2005, Beto Pandiani passou três meses velejando de Nova York até Sisimiut, na Groenlândia. Nesta viagem, os velejadores contaram com o apoio de um motor home que os acompanhou por terra de Nova York até o final das estradas no norte canadense. A partir do Labrador, na costa do Canadá, a dupla teve a companhia do Kotic II, barco capitaneado pelo Oleg Bely, pai de Igor Bely, companheiro de Pandiani na “Travessia do Pacífico”. O apoio foi necessário porque na região polar as condições climáticas não são só instáveis como violentas.

Os relatos da viagem escritos por Pandiani e os registros fotográficos da rota, realizados por Maristela Colucci, foram reunidos no livro "Rota Boreal, Expedição ao Círculo Polar Ártico". 

A maior de todas as viagens foi realizada entre 2007 e 2008. Juntamente com Igor Bely, Beto atravessou o Oceano Pacífico partindo do Chile e chegando a Austrália. Foram meses de viagem contando as paradas e após 17.000 quilômetros navegados em um barco sem cabine foram os primeiros velejadores do mundo a cruzar o Pacífico Sul em um barco aberto e pequeno. 

No ano de 2013, Beto e Igor voltaram ao mar e cruzaram o Oceano Atlântico partindo de Capetown e chegando a Ilhabela sem escalas. Foi a primeira viagem sem terra no caminho e para isso velejaram 37 dias.

Em 2022 novamente junto com Igor Bely cruzaram a lendária Passagem Noroeste, acima do Círculo Polar Ártico, passando por cima do Canadá e contornando a Calota Polar. O resultado foi a produção de um documentário sobre as mudanças climáticas na região. 

Vale lembrar que todas as viagens foram inéditas e únicas.

 As outras viagens também originaram os livros “Rota Austral” e “Travessia do Drake”, “Rota Boreal”, “Entre Trópicos”, Travessia do Pacífico e Atlântico- Travessias, além do filme “Travessia do Pacífico”.

Ao final destas oito viagens, Beto Pandiani tornou-se o primeiro velejador a

conectar a Antártica ao Ártico num pequeno barco sem cabine. Como ele mesmo gosta de frisar, o feito foi absolutamente coletivo.

Em julho/2009 foi lançado o livro de histórias O mar é minha terra, obra que tem como fio condutor o diário de bordo da Travessia do Pacífico – sua viagem mais recente e a mais longa delas – na qual o velejador Beto Pandiani relembra passagens imperdíveis de suas cinco jornadas anteriores e recupera boa parte de sua trajetória pessoal, passando por momentos de sua infância, juventude e maturidade.

A experiência adquirida por Beto ao longo de todas estas expedições transformou-o em um palestrante diferenciado. Em suas palestras, ele discorre sobre logística, tomada de decisão, administração de riscos, preparo emocional e físico, superação de limites e trabalho em equipe, como se relacionar em um ambiente desfavorável e outros aspectos pertinentes as empreitadas.

Ainda em 2023 foi lançado o Documentário Rota Polar, o livro fotográfico da mesma viagem, e um livro juvenil intitulado Nas Terras dos Ventos, virão em breve. 

Em 2024 será produzido um documentário que será uma série contando toda a trajetória da saga das oito viagens. O mar é minha Terra.

Boreal
barco

"A qualidade da sua imaginação define

a qualidade da sua jornada"

bottom of page